Cresce a demanda por tratamentos de Drogas

Cresce a demanda por tratamentos de Drogas
A coordenadora Cristiane Aparecida de Godoy Gaya conta que o CAPS-AD de Rio Claro sempre atendeu mais pacientes com problemas de alcoolismo. Porém, nos últimos tempos, tem aumentado a demanda de tratamento…
A Prefeitura de São Paulo pretende criar um programa para mandar os dependentes de drogas do município de volta para suas cidades de origem.
A viagem seria custeada por meio de convênio com o Governo do Estado. De acordo com a prefeitura, esse seria o último passo do tratamento rumo à recuperação do dependente, já que em sua cidade ele poderia contar com o apoio da família, muito importante para o tratamento. Porém, segundo a prefeitura, a decisão de voltar ou não ficaria a cargo do dependente. Cristiane Aparecida de Godoy Gaya, psicóloga e coordenadora do CAPS-AD (Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas) de Rio Claro, concorda que o apoio da família contribui muito para o sucesso do tratamento do dependente químico. Tanto que o CAPS-AD oferece atendimento também para a família.
Ela explica que o CAPSAD oferece três regimes de tratamento: intensivo, semi intensivo e não intensivo. Quando chega, o paciente é submetido a uma avaliação para verificar em qual regime irá se enquadrar. A partir disso, é montado, junto com o paciente e a família, um projeto terapêutico para o dependente. De acordo com Cristiane, a unidade tem hoje 2. 700 prontuários abertos. Desses, 60 estão em tratamento intensivo, ou seja, passam o dia no CAPS-AD.
Outros ficam somente um período e existem aqueles que retornam somente para as consultas de acompanhamento. A coordenadora explica que o CAPS-AD trabalha com a previsão de 12 meses. Se o paciente conseguir se manter abstêmio nesse período terá condições de retomar a sua vida. Porém, ela lembra que é preciso cuidado porque qualquer descuido pode trazer de volta a dependência.
Aumenta demanda por tratamento de usuários de drogas Ednéia Silva A coordenadora Cristiane Aparecida de Godoy Gaya conta que o CAPS-AD de Rio Claro sempre atendeu mais pacientes com problemas de alcoolismo. Porém, nos últimos tempos, tem aumentado a demanda de tratamento para dependentes de drogas pesadas como o crack.
Segundo ela, para esses, a adesão ao tratamento é mais difícil e o paciente precisa querer se tratar para que a recuperação tenha êxito. Ela conta que muitas vezes o CAPS-AD atende a família do dependente que busca ajuda para tentar convencer o dependente a se tratar. Porém, ressalta, nem todas as famílias se dispõem a isso o que dificulta a recuperação. Conforme ela, se o paciente estiver muito prejudicado pelo uso do álcool ou da droga, ou seja, é colocado no regime intensivo. Se ele faz uso aos finais de semana e consegue trabalhar, pode ser posto no semi-intensivo. Porém, tudo dependerá da avaliação feita pela equipe de profissionais do CAPS-AD.
Cristiane reconhece que houve na demanda por tratamento de usuários de drogas. Diante disso, ela aponta a necessidade de ampliar a rede de atendimento na rede pública. Vale lembrar que o CAPS-AD atende Rio Claro e os municípios da microrregião. A unidade conta com leitos de internação na Casa de Saúde Bezerra de Menezes, mas carece de leitos em hospital geral.
Ela conta que já existe discussão no sentido de criar uma rede integrada, envolvendo vários setores, ampliando a oferta do serviço. Os interessados em obter ajuda para se livrar do vício das drogas ou do álcool podem procurar o CAPS-AD que está localizado na Avenida 2, número 522, entre as Ruas 6 e 7, no Centro. A unidade funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas.
A coordenadora informa que a adesão ao tratamento pode ser feita de forma espontânea – pelo próprio paciente -, pela família ou ainda de forma compulsória, por ordem judicial. O atendimento no Caps – AD inclui atendimento clínico, psicológico, terapia, além da realização de oficinas pedagógicas e de artesanato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *